Floresta Mediterrânica | WWF

Floresta Mediterrânica



Um dos valores de conservação mais importantes da Ecoregião Mediterrânica, e que está na base da sua identificação pelo WWF como um Hot Spot de biodiversidade, é a sua diversidade florística apenas ultrapassada pela Amazónia.

Os ecossistemas florestais do Mediterrâneo possuem:

  • 25.000 espécies de plantas,50% das quais são endémicas, representando cerca de 8% da flora mundial em apenas 1,8% da superfície terrestre.

A floresta mediterrânica é um sistema marcado pela intervenção humana que, desde há milhares de anos, foi alterando e moldando a floresta em seu benefício, aproveitando os seus produtos e serviços ambientais.

  
	© WWF Mediterrâneo / Rui CUNHA
© WWF Mediterrâneo / Rui CUNHA

Actualmente, a floresta portuguesa ocupa cerca de 3,4 milhões de hectares, o equivalente a um volume de 67 milhões de m3 de pinho, 41 milhões de m3 de eucalipto e uma produção média anual de 120.000 toneladas de cortiça.

A mancha mediterrânica de Portugal - que se estende maioritariamente a sul do Tejo - ostenta um património florestal preciosíssimo. É uma paisagem na maior parte dominada pelo sobreiro, factor distintivo e mais-valia do país no plano florestal que alberga espécies raríssimas como o Lince Ibérico e a Águia Imperial.

Apesar das diminutas dimensões do território nacional, Portugal é o país do Mediterrâneo e, na verdade do mundo, com a maior área de sobro e a maior produção industrial de cortiça.

Os bosques e montados de sobreiro (Quercus suber) e azinheira (Quercus rotundifolia) são Classificados pelo Anexo I da Directiva Habitats. A razão da sua relevância do ponto de vista da conservação está no facto destes sistemas serem importantes suportes de biodiversidade e reguladores de serviços ambientais.

Hotspot de Biodiversidade

Os Montados são o ecossistema mais importante para a conservação da Biodiversidade florística, atingindo densidades de 135 espécies de plantas por 1000 m2.

  rel=
© WWF-Mediterrâneo / Rui CUNHA