Águia Imperial – a rapina mais rara de Portugal | WWF

Águia Imperial – a rapina mais rara de Portugal



A Águia-Imperial ibérica (Aquila Adalberti) é uma ave soberba, de grandes dimensões, apresentando uma envergadura de asas que pode atingir os 2 m, que se encontra criticamente em perigo, ocorrendo, unicamente, como nidificante, em Portugal e Espanha.

A águia imperial é uma ave de rapina exclusiva do Mediterrâneo Ocidental e uma das rapinas mais raras do mundo. Numerosas acções de conservação têm permitido a sua recuperação passando de 100 casais em 1995 aos actuais 230 de 2007, estimando-se actualmente uma população Portuguesa de 2 a 5 casais.

Esta grande rapina nidifica em zonas de montado de azinho e sobro, estabelecendo os seus ninhos sobre a copa de grandes árvores e tem as suas áreas de caça em áreas de pasto, cereal ou matagais, onde captura as suas presas.

A diminuição da sua presa principal – o coelho (nomeadamente devido a doenças) assim como a fragmentação do seu habitat preferencial – os montados – são factores de risco para a espécie.

Para alcançar o objectivo de conservação desta espécie em Portugal, a WWF:

Águia Imperial 
	© WWF - Mediterrâneo
Águia Imperial
© WWF - Mediterrâneo

· trabalha na conservação da floresta Portuguesa e da sua biodiversidade, em particular na preservação do sobreiro, uma árvore característica da floresta mediterrânica e habitat natural de espécies emblemáticas e ameaçadas como a Águia Imperial, entre outras.

· desenvolve campanhas de sensibilização da opinião pública como a acção Dia da Águia, que visa alertar para o perigo de extinção da Águia-Imperial no nosso País.

Veja aqui o filme do Dia da Águia, premiado com o Leão de Ouro no Festival de Publicidade de Cannes